Prensas

PRENSAS TRANSFERS

As Prensas Transfers se empregam para a fabricação de peças de médio/grande porte, que – por sua complexidade, tamanho/peso, tipo de repuxo, aproveitamento de matéria-prima, etc. – não se recomenda ou mesmo não é possível o emprego de ferramentas progressivas. Para tanto se faz necessário um Barramento Transfer, que garante o transporte das peças entre os diferentes estágios da Ferramenta.

Nas prensas Transfers realizam-se todas as sucessivas operações para se obter uma peça, a partir de um formato de chapa (Blank), previamente cortado ou que seja cortado no primeiro estágio da Ferramenta.

Cinemática Link-Drive

A Cinemática de alavancas articuladas permite alterar o movimento natural de uma prensa excêntrica para conseguir uma velocidade mais lenta na descida, no curso efetivo de força (ponto de força), com velocidades maiores no resto do ciclo. Este sistema permite melhorar a capacidade das prensas mecânicas para realizar as operações de repuxo. Geralmente, em uma prensa com cinemática Link-Drive se obterão maiores produções em relação a uma prensa normal com cinemática excêntrica.

A gama de forças nominais destas prensas variam de 1.600 kN até 30.000 kN.

Dependendo do tipo de peças, pode-se usar diferentes tamanhos de mesa e martelo, 2 ou 4 bielas, assim como vários tipos de acessórios para realizar e otimizar o processo produtivo.

PRENSAS PROGRESSIVAS

Partindo de uma bobina, a peça é estampada na prensa conforme o avanço da chapa. A peça não se separa da chapa até o último estágio.

Normalmente incorpora-se um sistema de troca de curso automático, que permite adaptar-se ao curso e velocidade requerida para cada Ferramenta.

Dependendo da tonelagem necessária e das dimensões da prensa, a ARISA fabrica prensas em conjuntos unidos por tirantes pré-tencionados ou em monobloco. As diferentes operações de corte, dobra, repuxo, etc., geram esforços descentralizados, e este tipo de prensa está especialmente projetada para suportá-los.

As forças nominais vão de 1.600 kN até 25.000 kN.

Dependendo do tipo de peças, pode-se usar diferentes tamanhos de mesa e martelo, 2 ou 4 bielas, assim como vários tipos de acessórios para realizar e otimizar o processo produtivo.

PRENSAS SERVO

Em uma Prensa Servo, o martelo se comporta como um eixo de controle numérico. Assim, a velocidade do mesmo é definida e controlada pela máquina, tanto em seu valor como a direção do movimento. Desse modo, pode-se programar diferentes velocidades no avanço do martelo ou ao longo de seu ciclo. Isto permite a otimização das curvas de posição e velocidade para cada Ferramenta em específico, o qual resulta em importantes incrementos de produtividade.

Um programa incorporado ao controle da máquina, otimiza os desempenhos realizados e indica as velocidades máximas de produção a partir de parâmetros definidos pelo usuário.

Este programa é também responsável pelo “Energy Management” ou Sistema de Gestão de Energia, mediante o qual com valores similares de consumo elétrico de uma prensa convencional, pode-se utilizar uma Prensa Servo ARISA. O fundamento deste sistema é o armazenamento da energia originada pela desaceleração do martelo até chegar à zona de força, e na reutilização da mesma energia para subir o mesmo. O armazenamento de energia se realiza mediante a motores de alta inércia.

A segurança da prensa está garantida pelo controle numérico e também por freios hidráulicos externos de segurança. Estes últimos são utilizados também em todas as nossas outras famílias de prensas.

As forças nominais destas prensas vão de 1.600 kN até 30.000 kN.

Dependendo do tipo de peças, pode-se usar diferentes tamanhos de mesa e martelo, 2 ou 4 bielas, assim como vários tipos de acessórios para realizar e otimizar o processo produtivo.

BLANKING PRESS LINE

São instalações que são utilizadas para cortar blanks de forma continua ou não continua, a partir de grandes bobinas e com o máximo aproveitamento de material. São compostas por:

  • Linha de Alimentação de Bobinas
  • Prensa de corte ou “Blanking Press”
  • Sistema Transportador “Empilhador” de Blanks ou Sistema DESTAKER

A linha de alimentação de Bobinas está composta por:

  • Sistema de carro transportador para a bobina em espera;
  • Desbobinador com movimento transversal para carregamento e centralização;
  • Sistema Endireitador de chapas;
  • Conjunto de Limpeza e Lubrificação;
  • Controle de “laço”;
  • Alimentador do término da Bobina para conclusão da mesma.

Estas prensas atingem velocidades de até 90 gpm; podem incorporar cinemática excêntrica (standard), cinemática Link-Drive especial para corte, ou mesmo Servo acionamento para aumento de velocidade de produção.

Na saída da prensa e devido a sua alta cadencia, a instalação incorpora um Sistema Transportador “Empilhador” de Blanks ou DESTAKER. As pilhas são formadas, pelo Empilhador, sobre várias mesas transportadoras. E as mesmas, incorporam um sistema de troca automática das pilhas.

Por sua vez, a prensa pode incorporar um sistema de enclausuramento acústico – devido a produção de altos níveis de pressão acústica durante o processo de trabalho. Também pode ter sistemas de transporte de cavacos por esteiras; troca automático de Ferramentas; Ferramenta de corte oscilante; Grampos hidráulicos de fixação automáticos; etc.

As forças nominais destas prensas vão de 500 kN até 1.250 kN.

PRENSAS ESPECIAIS

Existem também outros tipos de prensas cujo trabalho precisam de alguns requisitos especiais.  Por exemplo, existem prensas para estampo a quente; prensas de Try-out; prensas para grande espessura de material…nestes casos, as necessidades estruturais, de velocidades, de acesso, de segurança, etc. – são específicas e requerem um estudo particular dependendo do trabalho a ser realizado.

LINHA DE PRENSAS ROBOTIZADAS

São destinadas à estampagem de peças de grandes dimensões. Normalmente são compostas por quatro a cinco prensas, colocadas em linha e alimentadas por Shuttles ou Robôs. Trabalha-se com material pré-cortado, em formato de blanks. Geralmente, a primeira posição se dispõe para prensas que realizam um repuxo profundo, ao que se faz imprescindível a utilização de almofadas hidráulicas, para a correta conformação do material.

A ARISA fabrica linhas de prensas independentes, com DESTAKERS (Empilhadores de Blanks) na prensa de cabeceira e robôs ou Shuttles para o transporte entre prensas.

As forças nominais para as prensas de cabeceira, de simples ou duplo efeito, vão de 12.500 kN até 25.000 kN. Para as prensas posteriores, de 5.000 kN até 12.500 kN.

Dependendo do tipo de peças, pode-se usar diferentes tamanhos de mesa e martelo. Pode-se também construir tamanhos especiais, dependendo na necessidade do cliente.

 

LINHAS DE PRENSAS TRANSFERIZADAS

Em alguns casos, o comprimento total do conjunto de Ferramentas, supera a dimensão máxima da mesa da prensa. Para estes casos a ARISA oferece um sistema com duas prensas Transfers sincronizadas em linha, dotadas de dispositivo “intra-transfer”, de maneira que ambas prensas podem trabalhar a mesma peça em modo continuo, ou também de maneira independente para outras peças.

O próprio cliente pode definir, de acordo com a família de peças que irá produzir, a melhor solução, minimizando o custo de produção de cada família de peças.

PRENSAS MANUAIS

Desde sua fundação, a ARISA fabricou prensas manuais, que se dedicam a fabricação de pequenos lotes e não seria rentável a sua produção em Ferramentas progressivas ou Transfers.

As forças nominais destas prensas vão de 1.600 kN até 10.000 kN.

A ARISA fabrica suas prensas manuais em estruturas tipo “C”, reforçadas lateralmente para aumentar a rigidez das mesmas, ou em estruturas “monoblocos”, de duplo conjunto ou em peças.

NIDEC-SHIMPO
Condomínio Industrial Caldeira
Estrada General Motors, 852 – Indaiatuba – SP – CEP 13347-500
Tel.: (19) 3936-8484